Líder religioso pede a proibição da bandeira do arco-íris durante a Parada de Jerusalém

Tradução do texto de Daniel Villarreal originalmente postado no Queerty.

____________________________

Aryeh Stern, rabino de 74 anos de Jerusalem, recentemente pediu ao prefeito Moshe Lion que proibisse bandeiras do arco-íris durante a Parada do Orgulho.

Em sua carta, Stern escreve:

Para a minha grande decepção, eu faço um pedido sobre esse assunto doloroso da “marcha”. Eu sei que do ponto de vista da lei, o prefeito não tem nenhuma habilidade de impedir essa parada, então eu peço que pelo menos crie uma regra que proiba que bandeiras sejam levantadas, já que elas tornam a cidade feia”.

Eu acredito que o senhor agirá de maneira sábia para remover essa desgraça que cai sobre nós, especialmente agora nesses dias sagrados entre o dia de Jerusalém e Shavuot.

Quando questionado sobre a sua carta, Stern explicou:

Eu não pedi que fosse proibido que participantes levassem as suas bandeiras. Eu pedi que a municipalidade, que está levantando bandeiras pelo caminho da parada, não fizesse isso, especialmente perto das magnificas sinagogas da cidade. Não é apropriado que essas bandeiras sejam hasteadas ali.

Bandeiras são uma expressão de amizade, participação e identificação. Estamos falando sobre ferir sentimentos – o que elas simbolizam ferem os sentimentos de uma porção muito maior da população do que daqueles que querem as bandeiras.

Eu não estou tentando atacar a parada ou seus participantes, ou as suas crenças pessoais. Nós não temos interesse nisso. Essa não é a questão. A questão é o espaço público, e eu represento a opinião de muitos bom cidadãos em Jerusalém. Isso é uma explícita proibição na Torá, isso é uma questão séria, e nós iremos levantar bandeiras por isso? Imagine se nós estivéssemos levantando bandeiras em apoio de um movimento para comer porcos.

Stern adicionou que ele não achou que a sua carta fosse publicada e questiona se foi um erro dele ter escrito ela, afirmando que “eu não pensei que ela causaria tanta indignação”.

Stern já tem um histórico sobre o tema. Em 2018, o rabino ultra-ortodoxo se opôs a permissão de casais homoafetivos de terem o direito de terem filhos por barriga de aluguel, afirmando que a vida da criança seria “esquisita… muito estranha e não-natural”.

A Parada de Jerusalem é um dos 50 eventos do orgulho que serão realizados em Israel nesse ano. De acordo com o Times of Israel, “a municipalidade de Jerusalem disse em uma declaração que as bandeiras serão hasteadas como no ano anterior, de acordo com as decisões da corte sobre a questão”.

____________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): Religious leader asks mayor to ban rainbow flags during Pride

Eurovisão 2019 e Parada de Tel Aviv: Grupos LGBT de todo o mundo assinaram petição contra o festival que acontecerá em Israel

Artista viraliza ao publicar arte de casais LGBT formados por judeus e muçulmanos

Para palestinos gays, Tel Aviv é um santuário precário e complicado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: