A perseguição contra homossexuais no exército da Coréia do Sul retornou

Tradução do texto de Rik Glauert originalmente postado no Gay Star News

________________________

O exército da Coréia do Sul recomeçou a sua caçada por militares homossexuais, de acordo com o Centro de Direitos Humanos do Exército do país.

Três homens servindo a marinha estão sob investigação por terem se envolvido em relações homossexuais.

Eles podem sofrer dois anos de prisão sob a controversa lei de sodomia da Coréia do Sul. Promotores podem aplicar essa lei mesmo se os atos sexuais aconteceram fora das instalações militares.

Dois anos de serviço militar compulsório são impostos a todos os homens sul coreanos em bom estado de saúde.

Em 2017, a lei ganhou as manchetes depois que emergiu a informação que um general usava aplicativos de encontros para ludibriar soldados.

A sua então chamada “caça as bruxas gays” expôs 50 soldados.

A Coréia do Sul tem recebido diversas críticas de grupos ativistas e das Nações Unidas para que a lei fosse revista.

A, B e C

De acordo com o Centro de Direitos Humanos do Exército, três militares, identificados como A, B e C, estão sob investigação.

Militar A procurou aconselhamento sobre a sua orientação sexual. E acabou revelando que tinha tido relações sexuais com outro soldado.

A foi então interrogado pela polícia militar, que demandou que o nome do outro soldado fosse revelado.

A polícia militar então vasculhou o telefone de B e encontrou evidências de uma relação com C.

A comissão disse que os investigadores realizaram perguntas irrelevantes e humilhantes.

Policiais questionaram se B se identificava como homossexual ou bissexual.

Eles também questionaram em quais posições ele tinha feito sexo e se ele tinha ejaculado.

C relatou que questionaram se ele era homossexual em uma sala lotada de pessoas.

Lei abusiva

A Human Rights Watch (HRW) demandou que a Coréia do Sul revogasse essa lei.

HRW assinou uma reunião com a Corte Constitucional da Coréia do Sul.

“A lei de sodomia do exército da Coréia do Sul é um flagelo nos registros de direitos humanos do país e diversas organizações tem pedido a sua abolição” disse Graeme Reid da HRW.

“Criminalizar condutas homossexuais consensuais entre adultos deveria ser esquecido dentro de livros de história – não tem espaço na sociedade coreana” disse Reid.

A Coréia do Sul tem defendido a lei. Ela afirmou nas Nações Unidas que acusações de “condutas indecentes” são nescessárias para manter a disciplina em um exército majoritariamente masculino.

Em maio do ano passado, a corte sentenciou um capitão do exército por ter tido relações sexuais com outro soldado. Ele recebeu a pena de seis meses de prisão. Mas, a sentença foi suspensa por um ano.

Em agosto, o governo tinha afirmado que revisaria a lei.

Falhando com os direitos LGBT

O crescente movimento LGBT da Coréia do Sul tem recebido uma forte resposta conservadora, alertou a HRW.

No seu relatório de 2019, HRW afirmou que os líderes não tem se empenhado em proteger os direitos de pessoas LGBT da Coréia do Sul.

O grupo apontou que 210.000 pessoas assinaram uma petição contra a parada do orgulho na capital, Seoul. E manifestantes anti-lgbt bloquearam o festival do orgulho em Incheon.

Orientações governamentais para a educação sexual também são discriminatórias contra a juventude LGBT, avisa a HRW.

Organizadores do maior evento do orgulho LGBT da Coréia do Sul solicitou que o governo não ceda às demandas de grupos conservadores e proteja os participantes.

Eventos do Orgulho na Coréia estão cada vez mais sob ataque de conservadores cristãos. Os  grupos pressionam autoridades a negar permissões e que violentamente terminem as atividades.

A Comissão Nacional de Direitos Humanos afirmou que ela não nega o direito de casamento para casais homoafetivos.

Mas, rejeitou uma petição registrada por um casal gay formado por um britânico e um sul coreano. Eles se casaram na Inglaterra e pediram que o seu casamento fosse reconhecido no país.

________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): South Korea’s witch hunt for homosexuals in the military has restarted

Vigilância de direitos humanos da Coréia do Sul pede debate sobre o casamento igualitário

Conheça Marshall Bang: A estrela de KPOP que se assumiu para promover aceitação na Coréia do Sul

Reflexões sobre uma exposição de arte queer na Coréia

Um comentário em “A perseguição contra homossexuais no exército da Coréia do Sul retornou

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: