Filme de Bollywood que conta a história de um romance lésbico estreia na Índia

Tradução de um texto originalmente postado no The Guardian.

_________________________________

Um pai tenta casar a sua filha com um belo solteirão. Ela resiste, insistindo que o seu coração pertence a outra pessoa. Existem canções e danças. Poderia ser o trailer para outro romance de Bollywood.

Somente uma dica é dada que torna “Ek Ladki Ko Dekha Toh Aisa Laga” (Como eu me senti quando eu vi aquela garota, ainda inédito no Brasil) uma estréia pioneira no cinema Indiano: o primeiro filme de mainstream, com grandes estrelas no elenco que fala sobre o processo de aceitação de uma família pelo fato de que a sua filha ama outras mulheres.

Estreando em todo país, “Ek Ladki” foi produto de uma cuidadosa campanha de marketing que evitou revelar explicitamente o conteúdo de seu roteiro. Parcialmente para evitar controvérsias: Fire, um filme de 1996 protagonizado por um casal de lésbicas, resultou em salas de cinemas destruídas por grupos fanáticos hindus.

Também é parte de uma estratégia de projetar o filme além dos círculos liberais de Delhi, Mumbai e outras grandes cidades, onde filmes de arte e independentes sobre relacionamentos homoafetivos já foram apresentados para pequenos públicos.

1444

Em setembro do ano passado, depois de décadas de campanhas, a Índia retirou a criminalização da homossexualidade. O próximo passo é mudar as atitudes das pessoas, diz a diretora do filme, Shelly Chopra Dhar.

“Ninguém quer ser pregado”, diz Dhar. “A nossa cultura é construída em narrativas e folclore e seguindo exemplos. O cinema entrou em nossas vidas e tomou esse papel, é o agente socializador. Eu não estou falando para o público o que é certo, mas eles podem ter uma nova experiência através dos meus personagens”.

Os primeiros filmes mainstream que retrataram a homossexualidade a fizeram de maneira radical, conta Raja Sen, um crítico de cinema do Hindustan Times.

Em Fire, as protagonistas se relacionam porque estão frustradas com os seus maridos que abandonaram o sexo. Em Heorine (2012) a personagem principal “se torna lésbica como parte da sua decadência moral”, ele afirma.

Quando produtores estavam procurando alguém para interpretar o personagem gay em Kapoor & Sons (2016), eles foram forçados a procurar fora da Índia, e acabaram chamando o ator paquistanês Fawad Khan. “Ele era muito bom, mas ele somente conseguiu o papel porque muitos atores de Bollywood rejeitaram o convite, afirmando que isso iria ferir a imagem deles”, conta Sen.

4000

Filmes como “Dedh Ishqiya” (2014) tentou atirar para os dois lados, dando dicas que as duas protagonistas estavam em um relacionamento, mas nunca afirmando concretamente que elas eram lésbicas. “Era algo muito debaixo dos panos”, diz Sen. “Se alguém quisesse bater o pé e dizer que elas eram somente amigas cavalgando juntas no por do sol, isso seria possível”.

Por outro lado, “Ek Ladki” tem todas as estruturas de uma clássica história de Bollywood sobre amor proibido – que por acaso é sobre duas mulheres. Também é a primeira vez que a estrela de Hollywood Anil Kapoor atuou com a sua filha Sonam Kapoor, aumentando o seu apelo nas bilheterias.

O filme faz parte de uma corrente de filmes de Bollywood que quebram tabus nos anos recentes. “Veere Di Wedding” (2018) apresentava um personagem gay em um papel secundário, mas o filme foi controvérsio por ser o primeiro a mostrar cenas de masturbação feminina.

“Pad Man” (2018) chamou a grande estrela Akshay Kumar para a história de um dos pioneiros da criação de absorventes femininos baratos.

Dhar conta que ela deliberadamente escolheu que “Ek Ladki” se passasse fora de uma grande cidade para quebrar esteriótipos. “Críticos afirmam que a homossexualidade é para pessoas modernas, que veio do ocidente”, ela conta. “Eu quebrei isso”.

Mas, no final o seu sucesso irá depender de algo mais tradicional: se o filme é divertido. “A regra do cinema é o entretenimento”, ela conta. “E se você não segue isso, então não é cinema”.

_________________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): Pioneering Bollywood lesbian romance opens in India

Fotos da primeira parada do orgulho em Mumbai depois que a homossexualidade foi descriminalizada na Índia

Curadora Rhea Tuli fala sobre a exposição “Corpos x Fronteiras” realizada em 2018

Outdor promove aceitação da comunidade LGBT na Índia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: