Maior evento LGBT de arte contemporânea acontecerá em Bangkok, Tailândia

Tradução do testo de Enid Tsui originalmente postado no South China Morning Post.

__________________________________

Um centro de caridade de Hong Kong que luta contra a discriminação de pessoas LGBT através da arte está levando um dos maiores eventos LGBT de arte contemporânia para Bankok em Novembro.

“Spectrosynthesis II” é a segunda edição expandida de uma exibição co-apresentada pela Fundação Sunprise no Museu de Arte Contemporânea de Taipei em 2017.

Patrick Sun Kai-yit, fundador da Sunpride, anunciou que a exibição de 2019 será realizada no Centro de Arte e Cultura de Bangkok no dia 23 de novembro.

“A Tailândia é uma escolha natural para nós, porque Bangkok, assim como Taipei, é uma outra casa além de Hong Kong”, afirma Sun. “A cidade sempre teve a reputação de ser receptiva com a comunidade LGBT, ainda mais agora que existem planos de legalização do casamento entre duas pessoas do mesmo sexo”.

f69d0824-1323-11e9-bd68-61a0d0b9ce58_615x_134610

A fundação também ficou contente de encontrar uma parceria com o Centro de Cultura e Arte de Bankok (BACC), o maior espaço de arte contemporânea da cidade, que promove diversidade e inclusão como parte da sua missão oficial, adiciona Sun.

Mais de 50 artistas de vários países da Ásia irão ser inclusos na exposição, com trabalhos da coleção da fundação, assim como trabalhos externos. Também existirá uma nova comissão por artistas como Arin Rungjang e Jakkai Siributr da Tailândia.

Entre os destaques estarão expostas fotos do já falecido Ren Hang, um jovem artista gay chinês que deixou uma série de retratos dos seus amigos antes de cometer suicídio em 2017.

0109955c-1324-11e9-bd68-61a0d0b9ce58_615x_134610

39a49bfa-1324-11e9-bd68-61a0d0b9ce58_615x_134610

Sun comparou Ren com Lionel Wendt, um fotógrafo cingalês que também morreu jovem.

“Nós também iremos expor trabalhos de Wendt, que foram vanguardistas no seu tempo e continuam sendo uma influência mesmo com os avanços nas tecnologias fotográficas. Ren também estava fazendo algo que ninguém tinha feito antes ao documentar a sua geração na China. Eu acredito que o trabalho dele irá ser sempre lembrado”, ele conta.

A fundação irá também trazer seleções de uma série intitulada ‘Os novos pré-rafaelitas” do artista indiano Sunil Gupta que foram adquiridas recentemente. Gupta, que é um ativista LGBT e da causa HIV/AIDS, pega emprestado mitos gregos e ideais pré-rafaelitas para retratar casais homoafetivos na India, onde existe pouco espaço para o crescimento desse tipo de iconografia.

Outros artistas presentes na exibição serão Dinh Q. Le, Maria Taniguchi, Ming Wong, Danh Vo e Samson Youg.

“Spectrosynthesis II é um projeto e não somente uma exibição” afirma Pawit Mahasarinand, diretor do BACC. “Nós estamos planejando, com diversos parceiros locais, exibição de filmes, performances, conversas, fóruns e simpósios no nosso centro e em outros locais. Conforme expomos esses problemas sociais, culturais e políticos assim como históricos, nós gostaríamos de ter certeza de que o público se engaje nesse diálogo”

Sun acredita que a arte tem um papel importante em unir as opiniões políticas e públicas então divididas.

“Essa separação de opiniões explica porque em Taiwan um referendo rejeitou a decisão da suprema corte de que o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo fosse reconhecido. O caminho para a igualdade nunca é calmo, e a arte e a cultura pode ajudar a mudar a visão das pessoas e encorajar a aceitação social”, ele afirma.

b6589b7e-1324-11e9-bd68-61a0d0b9ce58_615x_134610

A exibição inclui artistas LGBT que trazem ou não sua sexualidade de maneira explícita em seus trabalhos, e artistas heterossexuais que retratam a temática LGBT.

Sun afirma que a orientação sexual de um artista é relevante para a sua arte porque toda arte reflete algo de seu criador.

“Mesmo que um artista não acreditem que a sua sexualidade seja relevante, a sua identidade ainda irá aparecer em seu trabalho. E também, o público irá encontrar uma nova maneira de interpretar um trabalho quando ele é colocado em uma exibição LGBT. Por exemplo, a obra ‘Situação silenciada’ de Samson Yon pode ser entendida em um contexto diferente nessa exposição do que quando mostrada na Bienal de Veneza”, explica ele.

A palavra “spectrosynthesis” é a união das palavras espectro e fotossíntese, na intenção de jogar luz na rica e diversa história da comunidade LGBT.

__________________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): Biggest ever LGBT Asian contemporary art show heading to Bangkok

Sobre fuga, solidão e linguagem: Entrevista com Paty Baik sobre a sua participação na exposição Textão

Artista resgata a memória LGBT com o projeto “No meu tempo não tinha disso” – Entrevista com Daniel Wu

Reflexões sobre uma exposição de arte queer na Coréia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: