“Eu sonho em realizar uma marcha do orgulho na Caxemira” Aijaz Ahmad Bund

Tradução da matéria de Sudipto Maity originalmente postada no Just Earth News.

___________________________________

Diferentemente de outros estados indianos, a comunidade LGBTQ de Jammu e Caxemira não compartilham da alegria com o veredito da suprema corte que descriminalizava o sexo gay. Caxemira tem a sua própria constituição e segue o Código Penal Ranbir (RPC), diferente do código penal indiano seguido no resto do país. Em uma conversa com o correspondente Sudipto Maity, o ativista LGBTQ Dr. Aijaz Ahmad Bund revela sobre o cenário em Caxemira e seus sonhos em sediar uma marcha do orgulho em seu estado.

Enquanto alguns especialistas sugerem que o verdito da Suprema Corte acerca da seção 377 do Código Penal Indiano (IPC), que criminaliza o sexo gay, é válido na Caxemira, outros tem dado declarações contrárias, afirmando que somente a draconiana Seção do IPC estava em debate para a Suprema Corte e não a RPC que governa Caxemira. Dr. Aijaz Ahamad Bund é um dos ativistas LGBT mais proeminentes dos estados indianos de Jammu e Caxemira, trabalhando sob ameaças físicas em zonas difíceis.

Dr. Bund, como está a situação agora na Caxemira?

Hmm… a situação na Caxemira… nós estamos em um dilema de estado. Existem pessoas dizendo que a decisão se estende ao estado de Jammu e Caxemira, e existem uma grande número de pessoas que estão nos confundindo dizendo que não, ela não se estende ao estado de Jammu e Caxemira. Muito recentemente eminentes especialistas em legislação tem dado a sua opinião sobre a aplicabilidade da sentença da Suprema Corte e eles afirmaram que sim, ela é aplicável também ao estado de Jammu e Caxemira.

Nós estamos felizes de que existe ao menos um marco ou decisão jurídica já declarado – um passo em direção a humanização da comunidade LGBT de Jammu e Caxemira já foi dado. Se essa decisão não se estender ao estado, nós iremos realizar uma petição para que ela seja também removida do Código Penal Ranbir (RPC).

Quando você planeja se direcionar à corte e registrar a petição?

Assim que a confusão a respeito da decisão fique clara, Deus me livre, caso ela não se estenda ao estado de Jammu e Caxemira, nós iremos levar a petição para a Suprema Corte.

kolkatalgbtq1
A Suprema Corte indiana recentemente decidiu que atos sexuais consensuais entre dois adultos do mesmo sexo não é mais punível. (Imagem: Rajat Malakar)

Extremismo religioso é uma das rasões porque a comunidade LGBT tem direitos limitados pelo estado. Você vê isso também como uma ameaça para o futuro?

Definitivamente. Você precisa entender que a comunidade LGBT (em Jammu e Caxemira) está vivendo uma vida com diversas camadas – sendo Caxemir, sendo muçulmano e vivendo em uma zona de conflito – então existem basicamente três camadas. Eu sou uma única pessoa com uma equipe pequena lutando pelos direitos dessa comunidade desde 2011.

Como foram as suas experiências?

Nós enfrentamos diversas negatividades. Nós fomos também ameaçados, e assim por diante. A situação aqui é muito diferente do que é em outros lugares. Como um ativista em Delhi, que enfrenta poucas ameaças externas.

Dr. Bund, se me permite adicionar – Caxemira é amplamente influenciada pelo Paquistão, que não é muito amigável ara os direitos LGBT. Você acredita que isso exacerba as já frágeis relações com a Caxemira?

Veja, não é somente um problema com o Paquistão, é um problema com a maioria das comunidades muçulmanas. A respeito do Paquistão, apesar de nós (Caxemira e Paquistão) compartilharmos diversas similaridades no contexto socio-cultural, o Paquistão é relativamente mais progressista em comparação com a Caxemira.

kolkatalgbtqall
A comunidade LGBT de Calcutá, Bengala do Leste, celebram o verdito (Imagem: Rajat Malakar)

Porque você diz isso?

Perceba, as mulheres no Paquistão desfrutam de diversos direitos. Quando se trata da Caxemira, a conversa é diferente, a maioria das posturas ideológicas são formadas pela religião. Porém, isso não é específico somente na Caxemira. A maioria dos países sul asiáticos muçulmanos compartilham dessa prática. As pessoas não são realmente discutindo essas coisas. Nós ainda precisamos começar uma conversa – um dialogo positivo sobre os direitos das mulheres – quem dirá de direitos LGBT.

Então, você está dizendo que se a fundação ainda não for estabelecida, não existe ponto em estabelecer toda uma nova estrutura?

Exatamente, como eu disse. Que exista primeiro um debate sobre o direito das mulheres. Existe uma movimentação correndo paralelamente com o movimento LGBT. O direito das mulheres precisa ser debatido na nossa sociedade que tem sido negado por um longo tempo.

Dr. Bund, quando você fala sociedade, o que você quer dizer – a sociedade de Caxemira, a sociedade muçulmana ou a sociedade indiana?

Quando eu digo sociedade, eu quero dizer a sociedade de Caxemira, que não é somente conservadora mas também patriarcal. É uma sociedade rasa. A sociedade de Caxemira não trata as mulheres como sendo mulheres. Essa é a sociedade que estou falando – minha sociedade, a que estou vivendo agora.

Agora que a Suprema Corte descriminalizou a seção 377 da IPC, você consegue ver esperança para a Caxemira?

Mas é claro! Eu sou muito esperançoso. Você consegue entender o tipo de trabalho que nós estamos enfrentando apesar da negatividade e das ameaças. Nós estamos fazendo isso. Se nós tivéssemos esperança, nós não teríamos feito isso. Como eu disse, a lei arcaica, que não tem relevância nos dias de hoje, quando nós falamos de direitos humanos, foi retirada do IPC. Você tomou um passo para humanizar a comunidade LGBT ao retirar um título de criminalização, isso é um passo de esperança. Nós esperamos que o casamento igualitário seja legalizado em breve na Índia.

Dr. Bund, você é um dos pouco ativistas LGBT da Caxemira. Porque você acha que o estado tem tão poucos representantes em comparação com o resto da Índia?

Veja, como eu contei pra você, o movimento LGBT na Caxemira é muito novo. Existem muitas pessoas que ainda não saíram do armário, porque a atmosfera não é convidativa para que as pessoas o fazem. Somente um número de pessoas tiveram coragem. Eu sei que muitos não ousariam se assumir e falar sobre esses temas. Então, estamos sendo discretos e também tentando criar espaços onde possamos ouvir a comunidade e prover um lugar onde eles não serão julgados por outras pessoas. Mas, nós ainda estamos começando esse debate. Como uma comunidade nós ainda estamos ocupando espaços onde podemos nos assumir. Meu sonho é realizar uma Marcha do Orgulho na Caxemira. Se a decisão da Suprema Corte se estender à Caxemira, eu estou esperançoso de que iremos poder realizá-la.

aijazahmedbund2
Dr Aijaz Ahmad Bund iniciou o movimento LGBT na Caxemira em 2011. Seu sonho é realizar a Marcha do Orgulho na Caxemira. (Foto: Aijaz Bund)

Quais são os seus pensamentos sobre os políticos da Caxemira em se manter separados desse tema? Eles poderiam ter participado em uma parte vital. Mas, eles decidiram fazer isso intencionalmente?

Sim, apoiar os direitos LGBT significa perder votos. Além disso, não se pode experar muito de políticos LGBTfóbicos. A maioria deles são preconceituosos.

Então, não existe representação política de pessoas LGBT no vale da Caxemira?

Não

Você pretende preencher esse vazio algum dia?

Talvez. Eu sou um assistente social por profissão. E eu desejo apenas trabalhar como assistente social. Eu estou encorajando politicamente membros da comunidade. Se a necessidade surgir para o bem da comunidade, eu não hesitarei em participar da política.

___________________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): I dream of holding a pride march in Kashmir: Aijaz Ahmad Bund 

Reflexão de Vardaan Arora sobre a descriminalização da homossexualidade: Meu coração bate de entusiasmo

Removendo barreiras para a comunidade LGBT do Sri Lanka

Curta metragem paquistanês estrelando a atriz trans Kami Sid, tem estréia em festivais internacionais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: