Homem árabe conta sobre ser fetichizado por causa da sua etnia e sua situação como refugiado

Tradução do texto de Graham Gremore originalmente postado no Queerty.

_________________________________

Imagine ser forçado a fugir da sua terra natal em busca de uma situação melhor para se encontrar em um espaço onde pessoas irão fetichizar você por sua situação como refugiado. Isso foi o que aconteceu com Elia, de 25 anos.

Vindo do Marrocos, Elia está atualmente morando nos Países Baixos. Enquanto a sua vida não mais é ameaçada diariamente, ele rapidamente se encontrou frente a outro dilema.

“No Grindr, uma grande quantidade de homens começam a conversa me chamando de ‘senhor’, porque homens árabes são vistos como dominantes na cama”, conta Elia para a Vice.

“Foi por isso que eu decidi não ter mais relações sexuais com pessoas brancas, porque eu estava cansado de ser fetichizado e obrigado a sentir que a minha presença somente existia para realizar as fantasias sexuais de outros”.

Elia também contou que parou de frequentar bares gays pelos mesmos motivos. Todas as vezes que saia, ele conta, homens o tratavam como um troféu exótico e assumiam que ele estava “aberto para qualquer coisa”. Alguns chegaram ao extremo de demandar que ele voltasse para a casa com eles.

“Eu não quero me sujeitar a situações como essa novamente”, ele conta.

E se você acha que isso é triste, fica ainda pior. Porque Elia conta que outro problema que ele enfrenta é a fetichização de refugiados.

“Quando eu morava em um centro de refugiados no nordeste dos Países Baixos, homens brancos mais velhos constantemente passavam pelo campo somente para tentar dormir com algum refugiado”, ele lembra.

“Eu já fui assediado por um homem por essa razão”.

E lógico, existe um outro problema para isso tudo. Para cada homem que fetichiza Elia por sua raça ou situação como refugiado, existirá outro que o rejeita.

“As pessoas dizem coisas como, ‘eu não sou racista, mas é que eu não me sinto atraído por marroquinos'”, ele diz.

_________________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês) Arab man talks about being fetishized for his race and for being a refugee

Esse artista usa desenhos sensuais para exibir o amor queer no mundo árabe

Curta metragem paquistanês estrelando a atriz trans Kami Sid, tem estréia em festivais internacionais

Cinema Queer Árabe emerge para quebrar tabus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: