A primeira estrela K-POP gay: Eu tinha medo de ser fixado unicamente como “o cantor gay”

Tradução do texto de Trish Bendix para a New Now Next

________________________________

Em 2012, o vocalista estados-unidense de ascendência coreana Marshall Bang apareceu em uma competição de reality Star Audition: The Next Big Thing 3, semelhante ao American Idol. Agora se apresentando pelo nome artístico MRSHLL, ele prontamente se tornou a primeira estrela pop gay da Coréia do Sul.

Original de Orange County, na Califórnia, MRSHLL oficialmente se assumiu em 2015, quando uma amiga que trabalhava para a Time Out Seoul estava escrevendo um perfil dele e perguntou se ela poderia mencionar que ele era abertamente gay. Apesar de já ter se assumido para a família e amigos próximos desde o ensino médio, ele tinha as suas preocupações.

“Eu tinha medo de ser fixado como o artista gay do local” contou ele para a Forbes. ” Mas, no final, eu estava tipo ‘eu vou ser eu querida'”.

16711564_10104882794512485_2079122507113443568_n-1504631865

A família de MRSHLL é muito religiosa: Sua mãe, primeira geração de coreanos nos Estados Unidos, é uma pastora e seu pai é um diácono em uma catedral coreana.

“Eu sou gay, gay, gay, gay, gay”, lembra-se MRSHLL do que disse para a sua família. “A gente pode superar isso e aprender o que isso significa?” Ele elogia a sua mãe – “uma mulher forte e incrível” – mas afirma que ela e o seu pai não entendiam o que ser gay significava.

“Eles vieram de uma comunidade que não falava ou não queria saber sobre esse tópico. Mas eu entendo de onde essa mentalidade vinha, e eu continuarei a ter essas conversas e tentarei superar isso”.

Sair do armário é difícil para qualquer artista pop, mesmo em um país relativamente aberto como os Estados Unidos. O mercado sul coreano é mais duro, um reflexo da sociedade conservadora. A homossexualidade não é ilegal na Coréia, mas ainda existe fortes tabus culturais. O presidente Moon Jae-in afirmou que ele não aprovava a homossexualidade e que se recusava a apoiar leis inclusivas contra a discriminação  que proíbam o discurso de ódio contra indivíduos LGBT.

“Quando eu estava crescendo, eu estava tendo uma crise de identidade – eu tentava expurgar a minha herança cultural para me assimilar. Como um estados-unidense de ascendência asiática, nós somos constantemente visto como ‘o outro””, disse ele para a Forbes. “Mas depois de superar essa fase, a Coréia era onde, pela primeira vez, eu honestamente me senti pertencente”.

MRSHLL parou de cantar depois de um período de refluxo faringolarinjal, e entrou em uma escola de cosmetologia, que ele afirma ter encontrado “pessoas fabulosas que eram descaradamente orgulhosas de suas identidades e de quem elas eram”. Então um produtor coreano entrou em contato, perguntando se ele não queria aparecer no tar Audition: The Next Big Thing 3, e ele disse que “sentiu que isso era um sinal”.

Em uma recente aparição em outro show de reality, Show Me The Money 6, tivemos ele cantando em um par de salto-altos ao lado da estrela de hip-hop coreano Drunken Tiger e Bizzy, que inseriu MRSHLL em seu selo, Feel Ghood Music.

“Muito das minhas influências musicais vem de músicos negros, e eu sinto que muito das musicas que são populares nos nossos dias de hoje são fundadas no trabalho de músicos negros” ele disse para a NBC. “Eu sou eternamente grato por poder fazer essa música. Eu sempre farei homenagens para aqueles que pavimentaram o caminho para que uma criança coreana gay conseguisse realizar música de R&b”.

MRSHLL está pronto para lançar o seu primeiro disco com a Feel Ghood, um EP epônimo com a presença da estrela de RuPaul’s Drag Race, Kim Chi. Ele dá os créditos para a Bizzy e Drunken Tiger por não terem medo de assinar um contrato com um artista abertamente gay.

“Mesmo hoje, à medida que me preparo para lançar meu primeiro trabalho na Coréia do Sul como um artista eu não sei quais os papéis ou imagens eu deveria deixar públicos”, ele escreveu em um artigo para a Very Good Light. “Já que a imagem é tudo no entretenimento, minha gravadora está criando estratégias. Eu deveria performar como o homem gay gentil, sempre amigável, como Sam Smith? Ou deveria ser o gay hiper artístico, mau humorado e centrado como Frank Ocean? Ou algo entre os dois?”.

https://www.instagram.com/p/BYGQel7h2Hu/?utm_source=ig_embed

Ele também está preocupado se os LGBT sul coreanos irão apreciar os serviços dele como porta-voz, especialmente por ele ter crescido nos Estados Unidos. “Seria algo do tipo, ‘então quem te fez o nosso representante?'” contou ele para a NBC. Mas ele está vivendo e trabalhando em Seoul já a cinco anos, e está pronto para lançar as suas músicas, do modo dele.

“Eu sinto que todas as experiências que eu tive na minha jornada até agora me trouxeram até onde eu estou hoje”, contou ele para a NBC. “Eu sou extremamente grato que eu estou aqui… No final do dia, as pessoas podem falar o que eles quiserem sobre mim, mas eles não podem falar nada da minha música”.

________________________________

Links relacionados:

Matéria original (Em inglês): First Gay K-Pop Star: “I Was Worried I Might Be Typecast”

80% dos estudantes coreanos não se importam em estudar com homossexuais

Arte performática na Coréia do Sul

8 ídolos de KPOP que estão desafiando as normas de gênero na Coréia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: